18.12.15

E

Da palavra cadê eu gosto
não tem tradução possível pra minha língua morta
cadê? Perdi a estrada faz tempo e nunca voltei
chato olhar o dia todo a vida passar
ligado no vento e ás vezes fome falsa
então pega uns pila e compra um cachorro,
greve, centrão e milhões de cigarros fumegantes a beiços e unhas

é janeiro de calor filho duma égua
longe da ideia de tomar banho, cadê razão moleque?
fica olhando o tele jornal e achando que uma vez
deu vontade de sair batendo papo de Brasil Urgente
alucinado e lembrando dos goles que errou

17.12.15

F

Mas álcool é ressaca e refluxo
ondas ondas, batendo no cérebro
vão subindo dos intestinos
colapso leve, um cansaço do diabo
é diabo o álcool ou cachorro engarrafado
mas não é amigo do homem
periculoso sim, malévolo, aconchegante

eu levei todas as histórias do líquido
whiskey, cachaça e rum da pior cana, ceva e gim
cheirosos fora do corpo,
e só dentro fedem mendigo
caminhei até casa bêbado, quantas vezes?
olhando apreensivo pra os prédios,
qualquer momento encostariam em mim

16.12.15

G

-Sampa porra meu clichê-
feijoada sábado tarde, aqui foi uma testa de porco, não só testa, cabeça mesmo
botei seco herrerano ou rum avô, não lembro, botei muito dos dois, acho
não é cachaça mas são bons  temperos, sono vegetativo e sonho incrível
álcool é numa cantina, nadequi tem bollo e chicharron, enchem barriga pra caramba
tudo mistura no estomago, rede embaixo da mangueira
maioria dos caras nem comem e preferem investir a grana numa garrafinha
soa o Solitário

15.12.15

H

É longe mesmo
tipo norte e sul,
3000 quilômetros e estais noutro mundo  
Floripa, praia e ilhas, morros
pega ali o ônibus e vamo pra Gunga lá Maceió, Mulhé
ou POA, POA é uma casa escura e legal-inverno.